O Que Significa Indenização Integral?

Pneu-vencido-pode-estourar
Pneu vencido pode estourar? Quais os cuidados necessários
15 de outubro de 2020
Qual-a-diferença-de-corretora-e-seguradora
Qual a diferença de corretora e seguradora?
29 de outubro de 2020

O Que Significa Indenização Integral?

O-Que-Significa-Indenização-Integral

O investimento em patrimônios valiosos, ou mesmo que carregam  parcelas de pagamentos e financiamentos, tornam as preocupações,  inseguranças, e questionamentos sobre o próprio valor gasto e investido, mais  persistentes e constantes, pois afinal, um veículo é um item de extrema  necessidade e uso diário, além de carregar o peso da liberdade e autonomia dos  motoristas e proprietários.  

Veículos são itens de necessidade, transmitem status social, simbolizam  a maioridade, a liberdade, são considerados sonhos de muitos jovens e adultos,  carregando o peso de, em sua maioria, serem adquiridos através de muito  esforço e trabalho (devido ao alto valor de investimento).

Com isso,  principalmente em algumas circunstâncias, os proprietários sentem-se  inseguros, por questões do próprio valor patrimonial, pelo gasto que pode vir a  obter (em alguns casos, perda total, sem qualquer indenização integral gratuita),  e pela ilegalidade de terceiros no trânsito. 

Devido a esses fatores, além de claro, trazer o peso dos dados estatísticos que numeram e classificam os acidentes e colisões no trânsito, muitos motoristas  optam por investir mensalmente, ou semestralmente, em uma proteção, o  denominado “Seguro Auto” para veículos.

O seguro é uma categoria de serviço no qual as empresas oferecem pacotes de proteção para veículos em  circunstâncias denominadas na apólice (documento de contrato). Com o seguro,  em casos de colisões, batidas e acidentes, são oferecidos indenizações, desde  mais simples, até a indenização integral. 

O que é uma indenização integral? 

A indenização integral, ou também denominada de indenização total,  trata-se da indenização oferecida pela empresa de serviços de seguros quando  as circunstâncias estão de acordo com o que foi estabelecido na apólice, quando  o prejuízo for caracterizado como total.

Mais especificamente, existem “regras” para que a empresa seguradora define o que pode ser considerado, ou não, uma  perda total, levando consequentemente à uma indenização integral/total. 

Para que seja considerada uma perda total, primeiramente, é importante  que o beneficiário possua essa categoria de serviços já estipulada na apólice (o principal documento sobre os direitos e deveres de ambas as partes), definindo todas as “regras” para então iniciar a análise por parte da equipe da seguradora.

A análise é feita no momento que inicia-se o atendimento ao motorista, e ela irá  definir o grau de perda e a quantidade de prejuízo que o proprietário irá obter.  

Por fim, é muito importante que o acidente ou colisão, tenha sido causado  de maneira involuntária e sem que o motorista tenha violado as leis de trânsito,  caso contrário, o motorista irá arcar com os gastos, sem que haja nenhum auxílio  ou reembolso por parte da seguradora, já que o mesmo é considerado o “responsável” pelo acontecido. 

A análise para estipular o grau da perda, e o nível de prejuízo, é realizada  pelos profissionais capacitados pela própria seguradora. Os mesmos irão  realizar uma análise para definir as causas, os envolvidos, e então definir o valor  de perda/gasto.

Para ser considerada uma perda integral/total, o valor de  prejuízo deve ser igual ou ultrapassar 75% do valor total do veículo ou do que foi  estabelecido como métrica na apólice (ou em uma situação que um reparo seja  impossível de ser realizado). Posterior a confirmação do fato, o valor pode ser reembolsado e oferecido ao cliente.  

O que pode causar uma indenização integral? 

Existem dados estatísticos que confirmam através de números reais do trânsito, os principais motivos, categorias de colisões ou acontecimentos que  tendem a gerar uma perda total.

Dados que são utilizados para definir o perfil dos motoristas e beneficiários para determinar quais pacotes de serviços serão viáveis para a contratação. A maioria, trata-se de ocorrências no próprio trajeto no trânsito. 

Podendo variar de empresa para empresa para ser considerado uma perda total, os principais acontecimentos que tendem a gerar a mesma  são:

  • roubos e furtos (nos quais o motorista perde completamente seu  patrimônio);
  • acidentes e batidas;
  • danos causados pela natureza;
  • incêndios;
  • enchentes, entre outros. 

O principal parâmetro para estabelecer a perda total é a incapacidade do veículo de possuir um reparo eficiente.

Em quanto tempo recebe-se a indenização integral? 

Para que a indenização integral seja oferecida definitivamente para o  beneficiário, o mesmo requer um tempo para aguardar toda a burocracia e  documentações, para então ser confirmado e reembolsado pela seguradora.

Em casos de roubos e furtos, são realizados boletins de ocorrência, e o aguardo de todo o processo investigativo. Mas, quando trata-se de colisões, batidas, alagamentos ou enchentes, após a análise dos profissionais e a confirmação dada, são cerca de 30 dias para que o beneficiário seja reembolsado. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *